Para a fabricação, é especialmente importante que o ambiente de projeto ajude a atingir o rendimento máximo. Muitas empresas dedicam tempo suficiente para obter as especificações de hardware da maneira correta, mas nem todas dedicam esforço suficiente para entender o pacote de software que é fornecido juntamente com o hardware.

O que é exatamente um IDE?

Um ambiente de desenvolvimento integrado fornece uma interface de trabalho para o desenvolvimento de produtos de software, incluindo um editor de código-fonte, bem como ferramentas de criação e depuração. Os IDEs de automação são direcionados especificamente para o ambiente de fabricação para usuários que podem projetar máquinas, integrar equipamentos ou mantê-los dentro de um ambiente de fábrica.

Vamos dar uma olhada em alguns fatores importantes a serem considerados ao escolher um IDE de automação.

1. Como o fornecedor de IDE define "integrado"?

O significado da palavra "integrado" pode variar de fornecedor para fornecedor. Talvez ele indique que um único pacote de software contém pacotes de software independentes para programar HMIs, controle de movimento e PLCs. Esse arranjo não é realmente um verdadeiro IDE e, muitas vezes, não é ideal para muitos ambientes de fabricação.

É importante garantir que o IDE realmente use um editor para todas as suas necessidades de automação. Priorize fornecedores que tenham a capacidade ou estejam trabalhando para um aprimoramento que possa suportar controladores, HMIs, movimento, visão, aplicativos de processo e outras opções avançadas, como segurança e robótica, a partir de um único pacote de software.

Há duas razões principais para investir em um verdadeiro IDE. Em primeiro lugar, com a onipresença de software no ambiente de fabricação, o gerenciamento de ativos de software fica muito mais fácil quando um software é usado para vários dispositivos. Em segundo lugar, o custo total de projeto e manutenção de software é consideravelmente reduzido ao lidar com um verdadeiro IDE.

2. Qual é a estrutura de licenciamento?

Depois de se concentrar em um IDE específico, é hora de refletir sobre os requisitos de licenciamento. Isso pode ser bastante complexo, pois tende a ser estruturado de uma forma que pode aumentar significativamente os custos de longo prazo. Os fatores a serem considerados incluem o seguinte:

  • A validade da licença é permanente ou requer renovações anuais?
  • Quantos usuários individuais são permitidos na licença?
  • As licenças podem ser usadas em uma rede?
  • A licença exige que um hardware (dongle) seja conectado a um PC para operação?
  • Como o fornecedor comunica atualizações ou correções de erros ao software?
  • Com qual sistema operacional (SO) o software funcionará e como o fornecedor gerenciará as atualizações quando forem lançados sistemas operacionais mais recentes?
  • O fornecedor envia atualizações gratuitas para acompanhar as mudanças dos requisitos do cliente?

3. O quanto o IDE é escalável?

É importante entender a escalabilidade do software para suas necessidades de expansão ou downgrade. Alguns IDEs podem não estar disponíveis para todo os hardwares oferecidos pelo provedor, e isso pode tornar necessário o uso de vários editores, mesmo que sejam do mesmo fornecedor.

Por exemplo, pergunte ao seu fornecedor se o software é capaz de programar um micro PLC, bem como um controlador de automação de máquina complexo para aplicações de ponta. Se a resposta for não, você provavelmente deve procurar uma opção de software mais escalável.

4. Ele está em conformidade com todos os padrões de programação relevantes?

Certifique-se de consultar o fornecedor sobre a conformidade do software com os padrões de programação, como IEC 61131-3. Além disso, procure fornecedores que têm largura de banda para gerenciar os padrões de atualização sem depender de fornecedores terceiros.

Interessado em saber mais sobre nossas soluções IDE de automação? Confira os recursos do nosso Sysmac Studio totalmente integrado no link abaixo.

Produtos relacionados